Manjerico Negro com Quadra Impopular
Mangerico Negro é um projecto de storytelling crítico e espaço público mítico, aliando vertentes de urbanismo táctico, design de produto, literatura situada e performance narrativa. O conceito, da autoria de Mário Caeiro e Nelson Guerreiro, foi desenvolvido em parceria com Carol Farias e André Gonçalves (Sobreurbana) e Inês Andrade (Associação Renovar a Mouraria).

 
Este ano a coisa está negra. Não parece, mas está. Lisboa está zangada. Não com os turistas, que são bem vindos. Mas com a falta de casas para os que cá moram. São Vicente, o mais antigo padroeiro da cidade, fez chegar ao colega Santo António a sua preocupação. Mandou-lhe dois dos seus mais fiéis corvos. Estes, sem precisar de abrir o bico, manifestaram ao Santo Popular por excelência a sua apreensão. Antoninho, de coração gigante, depressa se mostrou solidário. Pois que quem casa… Por isso, há este ano pela Mouraria manjericos negros com quadras impopulares.

Lisboa autêntica é isto: participação e envolvimento. Trazer outro amigo também. A Renovar a Mouraria convidou os micro urbanistas André Gonçalves e Carol Farias a dar ideias para a renovação da imagem do Arraial, estes lembraram-se do curador e investigador Mário Caeiro – mentor do Projecto VICENTE da Travessa da Ermida – para reinventar a tradição e este arrastou o escritor e performer Nelson Guerreiro para o processo; o Nelson lançou a ideia de escrever quadras impopulares e convocou então o geógrafo Pedro Santa Rita para o acompanhar nos seus Passeios Performativos…

Um produto deste arraial de sensibilidades é este Manjerico Negro. Este é um objecto de design inédito, uma peça belíssima, plena de história, que simboliza, na casa de quem o comprar, a revolta contra a tristificação de Lisboa, venha ela do turismo excessivo e da gentrificação ou da simples falta de sensibilidade para com os que cá moram. Moradores de sempre, moradores da vez, estamos todos no mesmo barco. Para içar aos quatro ventos tal mensagem impopular, eis um barco esculpido em cortiça negra, protegido pelos dois corvos da lenda de São Vicente, para abrigar o manjerico que, muito sensível, está negro com a situação.

Ora como não há duas sem três, outro produto destas sinergias é o bando de corvos que veio instalar-se no Largo da Rosa para zelar pelo arraial da Mouraria que também pode ter os dias contados. Uma instalação sobreurbana.

©Mário Caeiro, Nelson Guerreiro, Carol Farias e André Gonçalves

 
Ficha Técnica:
Promotor Associação Renovar a Mouraria
Parceria Sobreurbana
Conceito Mário Caeiro e Nelson Guerreiro
Desenho e Produção André Gonçalves e Carol Farias
Quadras Impopulares Nelson Guerreiro e Mário Caeiro
Dos Corvos (intervenção urbana) Sobreurbana
Passeios Performativos Nelson Guerreiro e Pedro Santa Rita
Fabricação Digital Vitruvius Fablab
Apoios: Vitruvius Fablab, Amorim, Cartembal
Agradecimento especial Projecto Travessa da Ermida

http://urbanaphorisms.com/item/mangerico-negro/

http://www.renovaramouraria.pt/