Nos dias 30 e 31 de Outubro de 2017, o Guangzhou City Image and Design Forum reuniu em Cantão/China artistas, arquitetos, urbanistas e especialistas de diversas áreas de conhecimento para um conjunto de palestras, discussões e workshops sobre arte pública e formas de melhorar o diálogo entre os habitantes e os espaços públicos. O evento teve por base um interesse político manifestado pelo governo da cidade em experimentar novas formas de envolver os cidadãos na construção da cidade, nomeadamente através das artes. A presença de vários representantes do governo de Cantão, incluindo o Presidente da Câmara e o chefe do departamento de urbanismo, comprovou essa vontade de mudança.

Foi neste contexto que recebemos um convite do CIALP (Conselho Internacional dos Arquitectos de Língua Portuguesa) – parceiro do evento – para partilharmos nesse fórum a experiência brasileira que a Sobreurbana realizou em Goiânia com o Casa Fora de Casa: um projeto de Urbanismo Colaborativo, financiado pelo Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás. Partindo do princípio que as pessoas cuidam mais daquilo que conhecem e com que se identificam, o projeto procura transformar o bairro – e a cidade – a partir de dentro, dos cidadãos, começando por transformar o olhar e percepção que eles têm sobre a cidade, os espaços públicos e os diferentes usos. Fomentando a empatia e as relações de vizinhança, promovendo o pensamento crítico e criativo para achar respostas aos desafios locais que não provoquem novos conflitos.

Apesar das diferenças avassaladoras existentes entre Goiânia e Cantão, há problemas comuns em todas as cidades que crescem muito rápido, numa lógica top-down onde os decisores muitas vezes estão desligados da realidade socio-cultural do lugar que estão a planejar. Do mesmo modo, também há soluções que surgem naturalmente se incluirmos a população nesse processo de construção da cidade. O Casa Fora de Casa recorre a ferramentas do design thinking, placemaking e urbanismo tático, assim como a uma diversidade de linguagens artísticas, como forma de levar as pessoas a estabelecerem relações afetivas com os espaços da cidade, e com as outras pessoas que os frequentam, levando-os a questionar o que está errado, mas também a pensar em soluções para os problemas, estabelecendo depois a ponte para que os decisores políticos tenham acesso a esses dados e consigam ter maior base para suas decisões. Para os organizadores, o projeto foi uma lufada de ar fresco e mostrou novos caminhos de construir a cidade. Nada parecido existe em Cantão, porém ficaram muito interessados em replicar alguns dos processos.

O Guangzhou City Image and Design Forum estava inserido no Guangzhou Urban Art Week e foi organizado pela GPAA (Guangzhou Public Artist Association). A GPAA é uma ONG que articula uma rede internacional e interdisciplinar de pessoas e entidades que trabalham com arte e cultura em prol de uma cidade melhor e com melhores espaços públicos, para depois aplicar esse conhecimento para melhorar a imagem de Cantão e a relação da cidade com os habitantes. Com muito orgulho, a Sobreurbana faz agora parte dessa rede e é membro da Guangzhou Public Artist Association.